quarta-feira, 26 de abril de 2017

Categorias:

Resenha: Logan

Logan - PôsterTítulo Original: Logan

Título Nacional: Logan

Direção: James Mangold

Gênero: Ação, aventura, ficção científica

Duração: 2h17min

Estreia: 2 de março de 2017

 

 

 

 

 

 

Vi muitos elogios a Logan. Todo mundo disse que esse era o filme definitivo do Wolverine, o filme que os outros deveriam ter sido mas não foram. Quando assisti, vi um filme com arco dramático forte, mas não forçado, com muitos tiros, lutas e sangue, se passando em 2029, uma época em que todos os mutantes estão mortos, e os que restaram são caçados. Mas o filme é só isso mesmo o que eu acabei de descrever. As lutas e as cenas de ação são boas? São sim, mas também não achei essa coisa magnífica e diferente que todos acharam. Na verdade achei parecidas com as de Wolverine: Imortal. O primeiro filme do Wolverine é mais fraco na ação, mas o segundo já tem cenas mais fortes. Você já vê Wolverine matando, e enfiando as suas garras no coração e na cabeça das pessoas. A diferença do segundo filme para este, é que neste filme esse tipo de cena é mais exposto e frequente, por não ter a limitação da classificação indicativa de 12 anos. Também tem muitos palavrões, para mostrar que ele é um filme com classificação maior. Pelo menos esse tom combina com o personagem. Outra diferença, é que apesar dos dois filmes partirem da premissa de um Wolverine mais fraco e sem o seu fator de cura, este filme é mais dramático, porque Logan não só está perdendo o seu fator de cura, como também está mais doente, mais velho e mais fraco. Mas de um modo geral a violência típica do Wolverine já estava presente no filme anterior. Neste filme ele só foi ampliado.

Não me lembro de ter ouvido uma trilha sonora marcante durante o filme, nem mesmo aquela música do trailer, que todo mundo gostou. Os sons mais frequentes nas cenas são das garras entrando e saindo da carne das pessoas, de tiros e de gritos, principalmente de Laura, a X-23. Apesar dessa falta de uma trilha sonora para colocar no fundo, o filme não fica parecendo parado, porque na verdade ele tem muito ritmo. Então termina que uma trilha sonora não fez falta.

Sobre Laura, eu gostei dela. É uma menina grossa e com maus modos, sendo muito parecida com Logan, mas ao mesmo tempo mostra que é só uma criança, e James Mangold teve o cuidado de mostrar isso numa cena. As cenas de luta dela são muito boas.

SPOILER: Uma cena que demonstra a parte infantil de Laura e ao mesmo tempo mostra o seu lado mais brutal é quando ela está brincando no cavalinho. Essa é a cena a qual me referi no parágrafo anterior. Outra cena dela que eu gostei é quando ela dá um murro na cara de Logan depois de ser contrariada. kkkkk

Ela tem uma relação estranha com Logan, mais por causa dele do que dela, mas mesmo assim ela vai deixando crescer um sentimento de filha em relação a ele, mas tudo isso secretamente, porque assim como Logan, ela não é muito de demonstrar sentimentos (mas também não é de ferro). Foi uma personagem bem construída e seria bom ver mais dela no futuro, principalmente se fosse junto com aquelas outras crianças mutantes do seu grupo.

A fotografia é boa e prevalece os tons de amarelo, para dar a sensação de seca e momentos difíceis, o que funciona.

Hugh Jackman está com uma boa atuação nesse filme. Fez bem o papel da pessoa cansada e doente. Outro ator com boa atuação é Patrick Stewart, que faz Charles Xavier. Ele deixa a sua postura séria e analítica, de quem sabe de tudo e manda em tudo, para viver um idoso comum: fraco, velho e frágil, com problemas na memória e com grande dependência de Logan.

SPOILER: O final é triste, mas acaba de vez com a saga do Wolverine, lhe dando um final, da mesma forma que também termina a saga do restante dos antigos mutantes que ainda estavam vivos. Foi também o final para Hugh Jackman, que fez um filme de qualidade, que agradou ao público e a crítica, e se despediu do seu personagem em grande estilo. Agora, se a Fox quiser continuar a usar o Wolverine, ou deverão fazer um reboot, ou contratar outro ator para substituir Hugh Jackman. Mas o ideal mesmo seria continuar a história de onde parou e usar a X-23.

Nota: