sábado, 24 de junho de 2017

Resenha: The Flash – 3ª temporada



Atenção: esta resenha contém spoilers!

Os primeiros episódios dessa temporada de The Flash estavam bem razoáveis. Depois da excelente 2ª temporada, muita gente estava com altas expectativas para esta temporada, principalmente por causa do Flashpoint. Mas ao mesmo tempo que todos estavam com essas expectativas para saber com seria a nova vida de Barry, todos nós sabíamos que isso não iria durar para sempre. Mas o que não sabíamos era que iria durar tão pouco, e esse foi o problema do Flashpoint, que nos quadrinhos é um evento enorme, e que na série foi diminuído a apenas um episódio, o que foi decepcionante. O lado positivo, é que no Flashpoint as coisas eram diferentes e seria ruim se elas continuassem daquele jeito. Cisco era um rico metido, a cidade tinha um novo Flash (o Kid Flash), Iris e Joe, assim como todos os outros personagens que Barry trabalhava na S.T.A.R Labs não o conheciam. Então de certa forma foi bom que Barry tivesse voltado de novo, até porque ele já estava pegando todo mundo que conhecia e juntando de um jeito forçado para lhe ajudar. Essa não é a melhor forma de fazer as pessoas lhe conhecerem.

Por outro lado, quando Barry volta à linha do tempo que tinha deixado, as coisas não estão exatamente iguais ao que era antes. Iris e Cisco estavam mudados e Barry agora tinha um parceiro no trabalho. E então os problemas da série continuaram. O problema não foram as mudanças na linha do tempo em si, até porque elas tinham que acontecer para que Barry aprendesse a não brincar com ela, e para que ele veja que os seus atos sempre terão consequência. O problema é que essas mudanças foram para deixar os personagens mais chatos e dramáticos. E isso durou uma boa quantidade de episódios no início da temporada. The Flash parecia outra coisa. Além de uma Iris sem muitos sentimentos por Barry, e que teve que ser conquistada novamente, sendo que já tínhamos visto eles dois finalmente se dando bem no final da temporada passada, ainda temos Cisco, um personagem legal que foi deixado dramático e com ressentimentos por Barry, e também Julian, um personagem insuportável. O vilão do início da temporada, que pensamos ser o grande vilão, mas na verdade não é, também não é lá essa coisa toda. Ah, não nos esqueçamos de H.R., que provou o seu valor, mas que no começo nos fez sentir muita falta do antigo Harrison Wells, da Terra 2, também chamado de Harry. Fez falta um cientista experiente e sabe-tudo para resolver os maiores problemas do time. H.R. só fazia atrapalhar e no começo era inacreditável que escolheram um personagem como ele para ficar no time. Mas depois você vai se acostumando com a personalidade dele e o aceitando mais. Ele se tornou um dos alívios cômicos da série, já que todos os outros personagens estavam mergulhados em dramas.

Mas ainda bem que isso não durou a temporada inteira. Ainda bem mesmo, senão essa temporada de The Flash iria cair muito em qualidade. Outro problema foi que esses probleminhas com os personagens se resolveram muito rápido. A série resolveu mudar os personagens para mostrar as consequências dos atos de Barry, mas também não quis deixá-los daquele jeito porque sabia que o público iria rejeitar, e então resolveram os problemas tudo de uma vez e depois já estava tudo bem. Então Iris, que não tinha sentimentos por Barry, não só aceita namorar com ele, como também aceita todo o resto numa boa (e só no meio da temporada é que a relação dela com Barry parece mais natural, porque até então eu estava achando meio forçado), Cisco perdoa Barry e volta a ser o melhor amigo dele, e Julian deixa de ser um insuportável e passa a ser um colaborador de valor para a equipe. Eles mudaram assim, bem rápido, porque o interesse da série era deixar eles do mesmo jeito que estavam na temporada anterior. Concordo que eles deviam mesmo ficar como estavam na temporada anterior, mas porque então mudaram as personalidades deles e lhes colocaram em drama? Se fosse assim seria melhor que nem mexessem nesses personagens. A única personagem que mexeram e que ficou boa foi Caitlin, que virou a Nevasca. Ela tem um desenvolvimento melhor, porque a todo o momento está pendendo entre o bem e o mal.

Um personagem que ficou chato durante muito tempo foi Wally, o Kid Flash. Ele ficava com aqueles ciúmes de Barry e Jesse Quick por eles terem velocidade e ele não, e depois que finalmente consegue tê-la não sabe usar, quer fazer tudo do seu jeito, não quer ouvir Barry, faz besteiras... Ele é chato e imaturo. A gota d’água que fez Barry voltar novamente à linha do tempo que tinha deixado foi vê-lo correndo o risco de morrer, e quando ele volta encontra um Wally sedento por aventuras, querendo fazer loucuras e se colocando em risco. Ele também melhora com um tempo, mas minha impressão foi a de que ele foi o que mais demorou para ter essa evolução. Por outro lado, Barry restringe muito ele. Se nos lembrarmos do primeiro episódio da 1ª temporada de The Flash, vemos que Barry logo se torna o Flash e logo quer usar a sua velocidade para ajudar outras pessoas. Ele recebe apoio de uma equipe especializada e também de Joe. Já com Wally ele não permite que isso aconteça, assim como Joe e Iris também não permitem. Tudo bem que Barry é mais experiente e conhece mais os seus poderes, habilidades e os perigos das ruas, mas foi com seus erros que ele aprendeu, e não só observando outra pessoa fazer (que é o que ele sempre queria que Wally fizesse no início).

Jesse Quick aparece duas vezes apenas e fica reduzida a um mero interesse amoroso de Wally, o que é decepcionante. A única velocista feminina e nem temos o prazer de vê-la em ação por mais episódios, fazendo a diferença de verdade. Quando ela aparece é para ser o par romântico de Wally ou para discutir a trama já sem graça do pai superprotetor com a filha que quer se libertar.

O vilão verdadeiro da série, Savitar, demora para se revelar, mas quando se mostra, vemos que ele é realmente poderoso e é o maior inimigo já enfrentado por Barry. Mas não senti aquele temor por ele da mesma forma que senti por Zoom. Zoom foi trabalhado desde o início da temporada passada de forma magnífica, enquanto que Savitar demora mais para emplacar. Acho que Savitar só melhora quando o restante da série melhora, quando os outros personagens voltam a ser como antes. Até então o nível da série estava mais baixo em relação à temporada anterior. A revelação da identidade de Savitar é surpreendente e chocante. Achei essa revelação a melhor já feita e me surpreendi mais do que a revelação de quem era o Flash Reverso ou Zoom, porque a própria série dava sinais de quem eram.

Outro ponto é que essa temporada está mais dramática, porque desde o seu começo é revelado que Iris irá morrer. Isso faz Barry deixar de ser aquele personagem alegre, leve e sorridente que conhecemos. Ele passa a ser mais sério e sempre está aperreado. Se você notar, até a abertura da série, onde ele fala que é o homem mais rápido vivo (e que, como sabemos, não é verdade rs), ele está com a fala mais séria. Por vários momentos durante a temporada tive medo de que isso se expandisse e ele realmente ficasse sério, triste e dramático. Quando ele vai ao futuro dá para ver como as coisas ficaram e como o Barry do futuro está. Dava medo de que aquilo realmente virasse realidade, porque se acontecesse teríamos um segundo Oliver Queen. Aliás, todo esse drama forte também chegou em Arrow na 3ª temporada. Será que Supergirl também será vítima dessa maldição? Não sei qual é a necessidade que os responsáveis por essas séries de heróis da CW veem em sempre colocar mais drama no decorrer das temporadas. Isso não é desenvolver um personagem, e sim deixá-lo mais chato, principalmente no caso de Barry e Kara, que já nos acostumamos que eles são sempre alto astral.

E falando na Supergirl, aquele episódio crossover de musical com o Flash, que muita gente não gostou, eu gostei. Ficou legal, foi diferente, e ainda se encaixou nas duas séries, dando um fim no problema dos romances de Barry e Iris, e Kara e Mon-El, que poderia se estender pelo restante de suas temporadas.

Apesar de eu ter falado aqui só sobre os defeitos dessa 3ª temporada de The Flash, foi uma boa temporada, contando a partir do momento em que todos os personagens deixaram de ser chatos e voltaram a ser como antes. Quando tudo já estava estabelecido, a série engrenou e aí sim começou a ficar boa. O final foi bem nada a ver, totalmente desnecessário. O gancho não me deixou ansioso para a próxima temporada porque não teve sentido, e espero que Barry não fique muito tempo deprimido por tudo o que estará passando na prisão da Força da Aceleração. Espero também que a próxima temporada saiba trabalhar melhor os personagens, desde o seu começo, e que não seja tão dramática assim. Que não estraguem The Flash (por favor!). Gostamos dele alegre e otimista, como era até a temporada anterior.

Nota: