segunda-feira, 10 de julho de 2017

Categorias:
,

Resenha: Okja

Título Original: Okja

Título Nacional: Okja

Direção: Joon-Ho Bong

Gênero: Aventura, ficção científica, drama

Duração: 1h58min

Estreia: 28 de junho de 2017









Atenção: esta resenha contém spoilers (leves)!

O início de Okja parece com um filme infantil, mostrando a amizade de uma menina com seu animal de estimação. Os dois primeiros atos me lembrou muito Meu Amigo, o Dragão, com a diferença de que, apesar de Meu Amigo, o Dragão ser um filme bem dramático, é um filme infantil e tem um tom de fantasia, enquanto que Okja parece mais real e sério, desde o começo. Okja não é um filme para crianças. Apesar de se tratar de um animal que não existe e de ter uma protagonista criança, com uma trama que de longe é parecida com a de um filme infantil, este filme mostra um futuro distópico em que falta alimentação para a população mundial, e por isso novos animais têm que ser produzidos em laboratório para atender a demanda. Essa realidade e seriedade do filme fica ainda maior nos últimos 40 minutos, quando vemos a indústria de carne. As cenas não são forçadas e não induzem o espectador ao choro, mas você sente o peso das cenas e o “drama” dos animais ao longo desses últimos 40 minutos. Não são mostradas cenas fortes para causar pavor nas pessoas. É tudo muito real e frio. Dá pena e ver os animais. E deve ser exatamente essa a proposta do filme, fazer o espectador refletir sobre de onde vem o seu alimento, e fazer uma crítica às indústrias alimentícias de carnes, que visam só o lucro e maltratam os animais.

A atuação de Ahn Seo-hyun, que faz Mija, é muito boa. Você acompanha durante o filme os seus momentos de desespero, alívio, preocupação e determinação. A sua atuação nos ajuda a imergir nos sentimentos da personagem e no clima do filme. Pelo que eu vi na sua filmografia, ela é uma atriz de muitos trabalhos na Coreia do Sul, seu país de origem. Tilda Swinton também está bem (como sempre). O roteiro é bem amarrado, com ritmo (a partir do segundo ato), traz bons diálogos e apresenta bem os personagens. A direção de Joon-Ho Bong também é muito boa, assim como a fotografia. O único ponto negativo na parte técnica do filme é quanto a tradução dos diálogos entre a Mija e os americanos. Às vezes cada um fala na sua língua e todo mundo se entende, mesmo antes dela aprender inglês.

Okja é um bom filme, que nos faz refletir. Já li comentários de pessoas que viraram vegetarianas depois de assistir esse filme, e acho que muita gente pode mesmo tomar essa decisão baseado no que o filme apresenta, principalmente os mais sensíveis.

Nota: